quinta-feira, janeiro 11, 2007

Tarcísio Gonçalves Pereira

Há 7 dias morreu uma das pessoas que mais tiveram peso na minha (ainda precária) formação espiritual.
Essa pessoa era o Tarcísio.
Sabe aquela criatura que consegue arrancar risadas mesmo do ouvinte mais rabugento? Aquela que consegue fazer a Palavra ser entendida mesmo por quem não dá a mínima? Era ele. Nem meu pai, contestador de muitas coisas em matéria de religião, resistia ao encanto.
O segredo? Bom-humor.
Mineiro, da cidade de Delfim Moreira, tinha piadas e "causos" pra contar a toda hora. Era profundo conhecedor da Bíblia. E como tal, tinha a segurança de dizer coisas como:

  • "A maior desgraça que a vinda de Jesus trouxe para o humanidade foi tirar o direito da gente dizer que a culpa do que dá errado é de Deus. Ah, e como é difícil não ter a quem culpar";
  • "Imaginem se José e Maria brigassem: 'Sua irresponsável, não consegue tomar conta do Filho de Deus?' e Maria: 'Ah é, mas pelo menos eu sou mãe de verdade dele.' Olha que coisa, gente! E se Jesus foi criado numa família pacífica, seus filhos também devem ser";
  • "Por que Pedro negou Jesus 3 vezes? É mágoa por Jesus ter curado a sogra dele".
Depois da gargalhada sempre vinha a lição. E assim, de risada em risada, a gente ia aprendendo a ser um filho de Deus melhor.
Durante todo o ano de 2006, confesso que o vi pouco. Ele também estava mais recolhido, lutando para vencer um câncer devastador. A última vez em que o vi foi no início de dezembro, quando ele apareceu para dizer "Buscai as coisas do alto". Para dizer que o câncer tira tudo de uma pessoa (e ele que "já não tinha muita coisa, ficou sem nada") mas a fé, não: esta nunca lhe será tirada e por isso Jesus aprovou a atitude de Maria, irmã de Lázar e Marta, quando ela preferiu ficar aos seus pés em vez de ir ajudar a irmã nos afazeres domésticos.

Agora, fica a saudade.
E o trabalho maravilhoso dele: a comunidade Bethania, que acolhe dependentes químicos e portadores de HIV. Meu objetivo para este ano é conhecer este lugar, passar um tempo e experimentar este contato com pessoas que precisam de apoio.
Bom...é isto.
Queria ter podido escrever no dia da morte dele, mas estava de cama.
Então escrevo agora.


O Tarcísio é mais conhecido como Pe. Léo, scj.
Para ouvir sua última pregação.

2 comentários:

allyson disse...

Andei lendo tudo por aqui, gostei do desabafo... bjo moça! já tow com saudades.

Jackie disse...

Sabe o que é engraçado? Eu li o texto achando que vc tava falando de um parente, de um tio, de alguém da família.
Mas é realmente isso o que o padre Léo se tranformou ao longo do tempo em que esteve em nossas casas através da Canção Nova.
Vai deixar saudade, sim, com certeza, mas ñ se pode negar o sofrimento pelo qual ele passou e que agora deve estar em um lugar melhor, pelo menos é isso que esperamos e pelo que torcemos.
De qq forma, tenho certeza de que ele cumpriu mais que perfeitamente o papel dele ak na terra, nos ensinando de forma tão carinhosa e divertida.
Mto bonito o seu texto, acho q vc deveria mandar pra lá, pra canção nova, pra que eles tb possam se emocionar, do msm jeito que eu senti qd passei pelo seu blog hj..
Té mais!