sábado, dezembro 01, 2007

Minhas regras e preceitos são simples

Toda pessoa tem um valor. Com todos se pode aprender algo.
Logo, não posso dizer "finjo que Fulano não existe, sou indiferente". Se o dissesse, estaria admitindo que um grande valor humano, mesmo que ainda oculto, não me faria falta.

O ser humano muda.
Às vezes ele muda a essência para depois mudar as atitudes exteriores.
Outras vezes, ele começa mudando as atitudes exteriores e depois percebe que a essência mudou.

Nosso objetivo é nos tornarmos sempre pessoas melhores.
Estamos aqui em processo de lapidação: eliminando defeitos, adquirindo e reforçando qualidades, aprendendo sempre.

O ser humano é capaz de tudo.
A nossa meta deve ser reduzir este "tudo" a um conjunto de ações construtivas.

O erro não é a única forma de aprendizado.
É mais dolorosa.
Além dela, existem a observação do mundo, a atenção aos nossos próprios pensamentos, a análise de como os fatos levam a novos fatos.
Afinal, nem todos os erros precisam ser cometidos.

Somos capazes de aprender qualquer coisa.
A questão é: você quer dedicar seu tempo e esforço a aprender esta coisa.
Quando a genialidade não resolve, ou não é suficiente, vem o esforço para ajudar.

As pessoas normalmente reagem bem à sinceridade.
Uma pergunta feita com sinceridade obtém resposta autêntica.
Uma pergunta feita com ironia, com intenções (mal)disfarçadas, gera antipatia e desconfiança.

Deve-se detestar ações das pessoas.
Deve-se detestar atitudes das pessoas.
Não as pessoas.
Desta maneira, apesar dos pesares, será possível dizer quase que abertamente aquilo que desagrada, sem ofender aquele que a pratica.
Isto é honestidade, autenticidade.

Observadores incautos chamariam de falsidade o sorriso que se dá àqueles que se critica.
Longe disto.
O sorriso e a cordialidade são uma maneira de lidar com um ser humano que ainda tem muito o que aprender. Como todos nós, aliás.
Como poderíamos aprender com quem nos antipatiza?
Como poderíamos ensinar a quem nos antipatiza?

O aprendizado é infinito.
Porque, afinal, quando achamos que encontramos a verdade, descobrimos que ela está um pouco mais além.

2 comentários:

Sibaldinha disse...

Ai, ai, seus textos... Rosa, vc arrasa! =)

Maria Aparecida

Leonardo disse...

ô alek... não sei se lembras de mim, mas é o mesmo léo valério viu??? hoje eu tirei o dia pra ler teu blog, eu já tinha visto os posts e td, mas n tava com o coração aberto o suficiente pra respondê-los... já foi um, dos erros-aprendizados com as frases feitas, agora é este, do aprendizado com as pessoas...

ô alek... só duas constatações:
1- não acredito em lapidação. Nós lapidamos a rocha bruta, e o ser não o é. Eu continuo acreditando que, mesmo naqueles podres fdp's que continuam no partido dos trabalhadores por exemplo, os seres possuem algo dentro de si, e isso se chama ideologia. é isso mesmo. é a visão de mundo, a análise de "como os fatos levam a outros fatos", não é?
2- O ser humano está na terra em busca da verdade absoluta. Não sei se ela está no céu ou no inferno, ou ainda passeando no purgatório, mas o ser social está na sua busca incessante sobre como ele próprio funciona.
3- é impressionante como certas temáticas nos fazem pensar, pensar, pensar e chorar, chorar, chorar...

beijocas, xô ler o próximo...